quinta-feira, 23 de março de 2017

A mamã estava a dormir



VisitCoisas de uma vida:  de Cidália Ferreira


Moda Alentejana

Pedro Mestre - Campaniça do Despique "Zuca Zuca"

Namorei a costureira pelo buraco da chave
e ela estava zuca zuca e esta porta não se abre.
Esta porta não se abre ela é muito má de abrir
e ela estava zuca zuca e a mamã estava a dormir.
A mamã estava a dormir a mamã estava deitada
e ela estava zuca zuca era quase de madrugada.
Era quase de madrugada era o nascer do sol
e ela estava zuca zuca e o cu dela era um fole.
O cu dela era um fole e a barriga um sarilho
e ela estava zuca zuca com o dedo no gatilho."

quinta-feira, 16 de março de 2017

Seja onde for e como for

“Só somos livres se formos o que somos”



Tiago Bettencourt - Se Me Deixasses Ser

Se me deixasses ser
O sítio onde podes voltar
Depois do dia entardecer
Ou quando a noite te agarrar
O corpo forte de chegar
A casa de permanecer
A casa para regressar
Se me deixasses ser...
Seja onde for

Se o filme fosse meu
Na luta contra o mal
Tudo o que te faz doer
Morria no final
E se o escuro não passar
E te cega como uma prisão
Vou-te resgatar
Lavar-te o coração
Se me deixasses ser
Se fosse eu a mandar
Fazia-te ver...

Frente ao precipício
Juntos pela mão
Se hoje queres saltar
Eu quero ser razão

Se me fizesses crer
no sitio onde posso voltar
para um dia entardecer
e quando a noite descansar
Na casa de permanecer
Na pedra que fazemos chão
para me rever
lavar o coração
se me fizesses crer
se fosse eu a mandar
fazia-te ver

sexta-feira, 10 de março de 2017

Deixo correr o tempo



O tempo é como o mar que corre





União das Tribos / Mafalda Arnauth - Contratempo

Sai apressada
No rasto da madrugada
Caminha sozinha
Na noite fechada

Sigo na estrada
Para qualquer lugar
É o tudo ou nada
Que nos faz ficar


Deixo correr o tempo
Abraço o teu olhar
Entro em contra tempo
Quando te vejo chegar

Nas noites que espero
O tempo passa devagar
Sei o que quero
Vejo-te no meu olhar

O céu está cinzento
A noite ficou para atrás
Vejo-te em contra tempo
Enquanto o sonho se desfaz

Deixo correr o tempo
Abraço o teu olhar
Entro em contra tempo
Quando te vejo chegar

sábado, 4 de março de 2017

Sabe-se lá


“Sabe-se lá por que tudo é assim. Poderia ser de outro modo?”





Visit  sei_lá...

Balada do Desajeitado-Sebastião Antunes e Quadrilha

Sei de alguém
Por demais envergonhado
Que por ser tão desajeitado
Nunca foi capaz de falar

Só que hoje
Viu o tempo que perdeu
Sabes esse alguém sou eu
E agora eu vou-te contar

Sabes lá
O que é que eu tenho passado
Estou sempre a fazer-te sinais
E tu não me tens ligado

E aqui estou eu
A ver o tempo a passar
A ver se chega o tempo
O tempo de te falar

Eu não sei
O que é que te hei-de dar
Nem te sei
Inventar frases bonitas

Mas aprendi uma ontem
Só que já me esqueci
Então olha só te quero a ti

Podes crer
Que à noite o sono é ligeiro
Fico á espera o dia inteiro
Para poder desabafar

Mas como sempre
Chega a hora da verdade
E falta-me o á vontade
Acabo por me calar

Falta-me jeito
Ponho-me a escrever e rasgo
Cada vez a tremer mais
E às vezes até me engasgo

Nada a fazer
É por isso que eu te conto
É tarde para não dizer
Digo como sei e pronto

Eu não sei
O que é que te hei-de dar
Nem te sei
Inventar frases bonitas

Mas aprendi uma ontem
Só que já me esqueci
Então olha só te quero a ti